REFORMA ÍNTIMA

por FEESP – Américo Marques Canhoto

Quando Sócrates (um dos precursores da mensagem de Jesus) nos recomendou o conhecimento de nós mesmos, talvez não imaginasse o alcance atual da proposta. Jesus deixou claro quem somos nós e a que viemos; bem como o caminho mais fácil para atingir nosso objetivo maior: a plenitude do amor; após cumprirmos todas as etapas evolutivas, passo a passo.

A Doutrina dos Espíritos tão bem formatada por Kardec e depois complementada por vários Espíritos como Emmanuel e André Luiz, através da mediunidade de Francisco Cândido Xavier, nos trouxe notícias a respeito de onde nos localizaremos e como viveremos no Plano Espiritual. O Espiritismo veio agregar novas; mas já pálidas e algumas até defasadas atribuições ao postulado de Sócrates.

Somos seres em constante evolução.

Na empreitada do progresso é preciso responder a algumas questões básicas que o Espiritismo quase elucida com simplicidade e precisão:

QUEM SOMOS NÓS?

Uma vez definido que somos espíritos eternos filhos de um mesmo Pai, luz da mesma Luz e sujeitos às mesmas Leis, direitos e obrigações; e que partimos do mesmo princípio, usando o dom do livre arbítrio nos definimos como individualidade vida após vida – somos hoje o que nos fizemos ontem; nós somos nossa própria continuidade.

Estamos destinados à felicidade e à perfeição progressiva segundo nosso desejo e esforço – em concordância com as Leis de Trabalho, Amor e Justiça.

O QUE FAZEMOS AQUI?

Reconhecidamente somos seres imperfeitos, endividados perante nós mesmos e os outros, doentes, insanos.

Buscamos a cura através da Reforma Interior.

Mas antes é preciso fazer o diagnóstico.

QUEM SOU EU?

Mesmo na atualidade não há pessoa mais desconhecida para nós do que nós mesmos. E para piorar; nossa percepção a respeito da nossa pessoa é deveras deturpada:

imaginamos ser uma criatura que tem pouco a ver conosco. Diagnóstico errado conduz a tratamento ineficiente e perigoso.

QUAL MINHA TAREFA DE VIDA?

Todos nós temos um projeto de vida física consciente ou não. Para algumas pessoas a reencarnaçao foi compulsória baseada na Lei de Causa e Efeito com alguns ajustes feitos por Espíritos que coordenam esses Projetos de Vida. Outros de nós já participamos ativamente do Projeto de Vida; como nos relata o espírito André Luiz no livro Missionários Da Luz – psicografia de Francisco C. Xavier – editado pela FEB; no caso de Segismundo um dos protagonistas em fase de preparo para reencarnação.

Identificar e definir a tarefa de vida não é tão fácil; mas, com a simples observação e estudo dos acontecimentos em nossa atual existência é possível uma visão clara.

DIFICULDADES A SEREM TRANSPOSTAS

Além das íntimas decorrentes da própria evolução tais como: Preguiça de todos os tipos. Pouca maturidade psicológica.

Há os impedimentos externos, dentre eles:

– O sistema de educação em andamento que leva á formação de múltiplas personalidades.

– A vida de competição e seus valores egoístas, que nos deixa sem tempo para olhar para nós mesmos. Estamos sempre vigiando os outros; na ânsia de ultrapassá-los.

– Boa parte das crenças religiosas que iludem a respeito do que nos aguarda no pós-morte.

Claro que muitas outras dificuldades a serem transpostas nos acompanham no dia a dia. A reforma interior apenas começa de fato a se tornar eficiente quando alinhamos nossa existência ao conhecimento de quem somos nós e a que cada um de nós veio.

FONTES DO CONHECIMENTO DE NÓS MESMOS

Para descobrir quem somos basta apenas boa vontade e humildade. Muitos são os caminhos e as fontes para quem já busca.

Estudo das ocorrências do dia a dia.

Somos tal e qual uma estação de rádio ou de TV, vinte e quatro horas ao dia espalhamos ao universo quem somos.

Cada pensamento, sentimento e atitude têm um padrão vibratório específico.

Irradiamos e recebemos de volta; Lei do Retorno e a de Sintonia.

Quando em desarmonia o que recebemos de volta recebe o nome de dor, sofrer, pena, castigo, sorte, azar, destino, Deus quis ou deixou de querer…

Exemplos:

Para o impaciente que se acha o dono do mundo: demora; complicações. Está sempre rodeado de pessoas mais lerdas; quando próximo de alguns, sua simples presença trava-lhes o raciocínio.

O orgulhoso recebe a ajuda das humilhações, uma após outra, vindas de pessoas, situações, acontecimentos.

Para o avarento, o melhor remédio são as perdas.

O ciumento para curar-se não abre mão de todo tipo de traição – até que entenda que não é dono de nada nem de ninguém; além de sua própria vida e destino.

O com tendência a mágoa recebe “coices” até das Madres Teresas da vida.

Enfim, para cada um de nossos distúrbios de caráter a vida possui o remédio específico.

Um ponto importante é passar tudo pelo crivo da Ética proposta por Jesus.

O que fazer? Recomeçar. Recomeçar. Recomeçar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s