NÃO JULGUE

por Verdade e Luz – Luis Carlos Affonso

Vemos com tanta nitidez os defeitos dos outros, mas como é difícil identificar aquele que nos prejudica, nos faz sofrer, nos colocando em situação de erro perante as leis espirituais e deixando a felicidade distante. Se não bastasse a nossa inferioridade, ainda nos dispomos a julgar aquele que certamente, de uma maneira ou de outra, comete os mesmos erros que nós. Sempre estamos certos e os outros sempre errados.

“Não julgueis, a fim de que não sejais julgados…” (Mateus – Cap. VII; 1 e 2). Que dificuldade! Olhamos para as pessoas e ali, como numa tela mental, os erros, os defeitos, de aquele ser que fulminado pelos nossos olhares é radiografado e julgado, como se fossemos as criaturas mais perfeitas da Terra.

O caminho em busca da perfeição exige uma nova postura, um trabalho de renovação interior, reflexão sobre ensinamentos e situações morais, devemos principalmente conscientizarmos dos nossos erros das nossas imperfeições e das nossas limitações sem esses exercícios o retardo espiritual continuará, sempre em prejuízo nosso. “Conhece-te a ti mesmo”. Disse Sócrates, o filósofo.

Por achar que somos pessoas melhores, julgamos, esquecemos do argueiro no olho, lembra! Se gostarmos de evidenciar os erros dos outros, somos maledicentes. Jesus nos alertou dizendo: “Será usado da mesma medida com você”. A maledicência é uma imperfeição da alma. Quem a pratica é maldoso. Não devemos esmiuçar a vida daqueles que convive ao nosso redor.

O grau de adiantamento a que estamos determina o nosso modo de agir, e às vezes não temos compreensão dos nossos erros, daí a necessidade de agirmos com caridade e deixarmos que a pessoa, através do seu amadurecimento espiritual, enxergue os maus atos praticados. Isso não quer dizer que devemos ser coniventes com os erros das pessoas. O mal deve ser combatido, sem evidenciar a inferioridade momentânea dos outros. Aquele que erra, mais tarde, se refletir, tomar nova postura e ser humilde, corrigirá os erros praticados.

Julgar é maldade, muitas vezes dizemos, jamais agiremos dessa maneira. Será que nunca fizemos isso? Acho que fazemos a todo instante, é natural da inferioridade. A postura deverá ser de luta contra as tendências inferiores. Quer saber se você é uma pessoa boa? Examine sua capacidade de perdoar, a colheita é inevitável.

Mudemos, vamos ser gentis, amorosos, falar aquilo que é bom, evitar a impaciência, as agressões verbais, não censurar, cuidado com as respostas mal conduzidas. O que fizermos aos outros, será usado de medida, quando formos avaliados pela espiritualidade. “Perdoa-lhes porque eles não sabem o que fazem” – Jesus. Reflita!

É mais fácil condenar do que ser solícito, a indulgência é o que mais precisamos, é uma necessidade, condenemos o mal, vivemos juntos daqueles que erram e erram, como nós. Mais cedo ou mais tarde precisaremos do perdão e da compreensão, porque a reprovação pode cair sobre nós. Quando censuramos desacreditamos a pessoa, fazemos o mal e não reprimimos o mal como seria certo e justo.

Jesus nos legou inúmeros exemplos de compreensão e perdão. A passagem da mulher adúltera diz:

“Quando os fariseus e escribas acusaram a mulher adúltera, exigindo seu apedrejamento, o Mestre disse: Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra”. Foram todos embora.

Consultando as escritas de Emmanuel, ele nos alerta dizendo: “A incompreensão, indiscutivelmente, é assim como a treva perante a luz, entretanto, se a vocação da claridade te assinala o íntimo, prossegue combatendo as sombras, nos menores recantos de teu caminho… Se as estrelas da sabedoria e do amor te povoam o coração, não humilhes quem passa sob o nevoeiro da ignorância e da maldade… Não te faças demasiadamente superior diante dos inferiores ou excessivamente forte perante os fracos… Não clames, pois, contra a incompreensão, usando inquietude e desencanto, vinagre e fel… Por trás da cortina do “eu”, conservamos lamentavelmente cegueira diante da vida”.

Antes de preocuparmos com os defeitos dos outros, renovemo-nos dia a dia, só a transformação aparente não adianta, teremos que ir a fundo na renovação da nossa personalidade, renovemos nossa alma, vivamos uma vida equilibrada. Se a tendência do homem é acusar, lutemos contra ela. Quanto mais evoluído é um espírito, tanto maior é sua capacidade de perdoar.

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

AUTOPERDÃO

por Joana de Ângelis – Divaldo Franco

Já que é impossível voltar atrás para poder apagar o que fizemos,

avancemos fazendo agora todo o bem possível,

que um dia colheremos.”

Toda vez em que a culpa não emerge de maneira consciente, são liberados conflitos que a mascaram, levando a inquietações e sofrimentos sem aparente causa.

Todas as criaturas cometem erros de maior ou menor gravidade, alguns dos quais são arquivados no inconsciente, antes mesmo de passarem por uma análise de profundidade em tomo dos males produzidos, seja de referência à própria pessoa ou a outrem.

Cedo ou tarde, ressumam de maneira inquietadora, produzindo mal-estar, inquietação, insatisfação pessoal, em caminho de transtorno de conduta.

A culpa é sempre responsável por vários processos neuróticos, que deve ser enfrentada com serenidade e altivez.

Ninguém se pode considerar irretocável enquanto no processo da evolução.

Mesmo aquele que segue retamente o caminho do bem está sujeito a alternância de conduta, tendo em vista os desafios que se apresentam e o estado emocional do momento.

Há períodos em que o bem-estar a tudo enfrenta com alegria e naturalidade, enquanto que, noutras ocasiões, os mesmos incidentes produzem distúrbios e reações imprevisíveis.

Todos podem errar, e isso acontece amiúde, tendo o dever de perdoar-se, não permanecendo no equívoco, ao tempo em que se esforcem para reparar o mal que fizeram.

Muitos males são ao próprio indivíduo feitos, produzindo remorso, vergonha, ressentimento, sem que haja coragem para revivê-los e liberar-se dos seus efeitos danosos.

Uma reflexão em tomo da humanidade de que cada qual é possuidor, permitir-lhe-á entender que existem razões que o levam a reagir, quando deveria agir, a revidar, quando seria melhor desculpar, a fazer o mal, quando lhe cumpriria fazer o bem…

A terapia moral pelo autoperdão impõe-se como indispensável para a recuperação do equilíbrio emocional e o respeito por si mesmo.

Torna-se essencial, portanto, uma reavaliação da ocorrência, num exame sincero e honesto em torno do acontecimento, diluindo-o racionalmente e predispondo-se a dar-se uma nova oportunidade, de forma que supere a culpa e mantenha-se em estado de paz interior.

O autoperdão é essencial para uma existência emocional tranquila.

Todos têm o dever de perdoar-se, buscando não reincidir no mesmo compromisso negativo, desamarrando-se dos cipós constringentes do remorso.

Seja qual for a gravidade do ato infeliz, é possível repará-lo quando se está disposto a fazê-lo, recobrando o bom humor e a alegria de viver.

Em face do autoperdão, da necessidade de paz interior inadiável, surge o desafio do perdão ao próximo, àquele que se tem transformado em algoz, em adversário contínuo da paz.

Uma postura psicológica ajuda de maneira eficaz e rápida o processo do perdão, que consiste na análise do ato, tendo em vista que o outro, o perseguidor, está enfermo, que ele é infeliz, que a sua peçonha caracteriza-lhe o estado de inferioridade.

Mediante este enfoque surge um sentimento de compaixão que se desenvolve, diminuindo a reação emocional da revolta ou do ódio, ou da necessidade de revide, descendo ao mesmo nível em que ele se encontra.

O célebre cientista norte-americano Booker T. Washington, que sofreu perseguições inomináveis pelo fato de ser negro, e que muito ofereceu à cultura e à agricultura do seu país, asseverou com nobreza: Não permita que alguém o rebaixe tanto a ponto de você vir a odiá-lo.

Desejava dizer que ninguém deve aceitar a ojeriza de outrem, o seu ódio e o seu desdém a ponto de sintonizar na mesma faixa de inferioridade.

Permanecer acima da ofensa, não deixar-se atingir pela agressão moral, constituem o antídoto para o ódio de fácil irrupção.

Sem dúvida, existem os invejosos, que se comprazem em denegrir aquele a quem consideram rival, por não poderem ultrapassá-lo; também enxameiam os odientos, que não se permitem acompanhar a ascensão do próximo, optando por criar-lhes todos os embaraços possíveis; são numerosos os poltrões que detestam os lidadores, porque pensam que os colocam em postura inferior e se movimentam para dificultar-lhes a marcha ascensional; são incontáveis aqueles que perderam o respeito por si mesmos e auto-realizam-se agredindo os lidadores do dever e da ordem, a fim de nivelá-los em sua faixa moral inferior…

Deixa que a compaixão tome os teus sentimentos e envolve-os na lã da misericórdia, quanto gostarias que assim fizessem contigo, caso ainda te detivesses na situação em que eles estagiam. Perceberás que um sentimento de compreensão, embora não de conivência com o seu erro, tomará conta de ti, impulsionando-te a seguir adiante, sem que te perturbes.

Sob o acicate desses infelizes, aos quais tens o dever de compreender e de perdoar, porque não sabem o que fazem, ignorando que a si mesmos se prejudicam, seguirás confiante e invencível no rumo da montanha do progresso.

Perdoa, pois, e autoperdoa-te!

Joanna de Angelis

Destaque

NOSSA HISTÓRIA

POR QUE MAIS UMA CASA ESPÍRITA?
Voltando no tempo, a memória traz os fatos que fizeram com que um grupo de espíritas peregrinasse pelos centros espíritas do bairro do Ipiranga, após o fechamento da casa espírita onde eles estavam há mais de 20 anos.
E assim, a partir de 2002, começamos a aprimorar a ideia de criarmos um novo espaço, que seguisse as orientações de Alan Kardec em seus livros.
Juntos, decidimos arcar com os custos do empreendimento e fundamos o Lar Kardecista Luz e Harmonia “Chico Xavier” em 08/03/2003.
Depois de muitas reuniões, definimos nossos objetivos, que constam do seu Estatuto de Fundação, logo no início:
“… O Lar Kardecista Luz e Harmonia “Chico Xavier” é uma associação religiosa, filantrópica e cultural, sem fins lucrativos, de duração ilimitada, tendo como finalidades:
“a) Dedicar-se ao estudo e ao ensino da Doutrina Espírita, nos seus aspectos filosófico, e religioso, seguindo a Codificação de Alan Kardec e obras espíritas subsequentes e complementares” e:
“b) difundir a Doutrina Espírita, de forma ética e lícita, amparados no Evangelho de Jesus”.
À medida que nossas atividades foram sendo desenvolvidas, acrescentamos mais um objetivo, também baseados em Alan Kardec, no Livro dos Médiuns, Primeira Parte, Capítulo III, em Método, onde se lê, no último parágrafo, após sua sugestão para quem desejar “adquirir conhecimentos preliminares das suas obras “que leiam o Livro dos Espíritos, O que é o Espiritismo, Livro dos Médiuns, Revista Espírita, no que nos concerne. Mas os que desejam conhecer completamente uma ciência devem ler necessariamente tudo o que foi escrito a respeito, ou pelo menos o principal, não se limitando a um único autor. Devem mesmo ler os prós e contras, as críticas e as apologias, iniciar-se nos diferentes sistemas a fim de poder julgar pela comparação. Neste particular, não indicamos nem criticamos nenhuma obra. Levando nossa pedra ao edifício, tomamos apenas o nosso lugar. Não nos cabe ser ao mesmo tempo juiz e parte e não temos pretensão ridícula de ser o único a dispensar luz. Cabe ao leitor separar o bom do mau, o verdadeiro do falso”.
Esse conselho do Kardec foi fundamental para a diretriz que demos aos nossos trabalhos, cursos, reuniões de estudo e sugestões de leitura a voluntários e frequentadores, que eram presentes nos trabalhos da casa.
Filantropia
Atualmente há o direcionamento para intensificação do item c) do Estatuto que prevê:
“Promover obras de caráter filantrópico e beneficente de natureza educacional, cultural, assistencial, sem distinção de classe, sexo, raça, cor, nacionalidade ou religião”.
Todo projeto se bem conduzido, chega a um ponto de maioridade. É o que está acontecendo com o Lar Luz e Harmonia, com a percepção de que “o velho discurso sem prática deverá ser substituído por efetiva renovação” e, como sugere Bezerra de Menezes:
“A melhor instituição será a que mais expandir as condições para o amor.
O melhor homem será o que mais apresentar tenacidade em amar.
A melhor Casa será a que mais implementar o regime de amor em grupo, imprimindo a seus deveres um caráter educacional”. (no Livro Seara Bendita, pelo espírito Cícero Pereira).
O trabalho assistencial é um dos exemplos do que Jesus fez ao seu tempo na Terra, exercendo a caridade pública, dando oportunidade de trabalho para os voluntários que O seguiam. O mesmo está acontecendo no Lar em uma nova fase de seu trabalho.
Que o engajamento que tivemos inicialmente lá atrás possa se repetir com a mesma alegria que tínhamos então.
Maria Lucia de Sene
Ex Presidente e uma das fundadoras da casa.

Psicografia 10/9/2016

ob83c20web

Pai,

Envolve-nos na Tua Luz, na Tua sabedoria e amor,  que conhece nossas necessidades e nossos mais íntimos desejos.

Direciona nossos passos ao entendimento e aceitação de nós mesmos.

Que nosso coração se abra ao verdadeiro amor e que ele possa inundar todas as nossas células, limpando nossos medos, lavando nossas mágoas e dores, percorrendo cada milímetro de nosso corpo e se expanda através do nosso abraço aos nossos relacionamentos.

Que esse amor cresça e se multiplique, incentivando a paz e a união entre os seres e todos os povos e que ele possa curar as chagas do orgulho e egoísmo que ainda causam tantos males à humanidade.

Que ele possa orientar, cada vez mais, nossos pensamentos e nossas ações, fazendo jorrar contentamento e esperança, boa vontade e solidariedade e que o homem perceba que o futuro se constrói no hoje, no agora.

Que esse amor seja forte o suficiente para reconciliar-nos com nossas culpas e remorsos, fazendo resplandecer os anseios mais profundos de um mundo melhor, onde reine a Tua Luz!

Que assim seja, pois sabemos que só o amor fará esta transformação.

Psicografia 3/9/2016

not-everyone-is-blind

Os véus que encobrem nossa visão espiritual vão, aos poucos, caindo e descortinando a mente para um caminho de amadurecimento e conscientização à medida que vamos percorrendo as estradas da vida rumo aos objetivos centrais da encarnação. Eles estão gravados no fundo do nosso coração e são nossos sonhos e anseios mais profundos que revelam o caminho.

O medo engessa, trava e nos impede de avançar e atingir as metas traçadas. Da mesma forma, a rigidez, pois é filha do medo e da mente controladora ilusória. A vida é fluida, qual riacho escorregando vagarosamente por entre as rochas e obstáculos e traz exatamente o aprendizado necessário, por mais que nos esforcemos para fugir dele ou da dor que nos impulsiona a ele.

Portanto, a lição do momento é soltar, esvaziar o medo, a raiva, a mágoa, e imaginar-se boiando num lindo lago azul num belo dia ensolarado. Foque no céu de um azul intenso, perceba as montanhas silenciosas e pacientes ao redor e sinta-se parte de tudo isto. Sinta a paz, sinta a presença de Deus regendo a perfeição do Universo e você, seu filho querido, como o centro de toda a Sua Criação.

Temos, sem dúvida, responsabilidade por nossas escolhas, no entanto, é necessário perceber nossos limites e não fazer que as contrariedades tornem nossas dores mais fortes do que o necessário. O poder divino tem meios que desconhecemos e a fé nesse momento tem sua função de suporte e conexão.

Amem-se, queridos, e reconheçam suas vitórias, seu crescimento, a bela história construída com muito esforço e perseverança. Confiem e apoderem-se da Luz que já são merecedores e continuem laborando na construção de um mundo melhor. Jesus conta com vocês!

São tempos difíceis, mas extremamente importante para a virada de página da humanidade terrestre, que necessita da energia e colaboração de todos.

Muito amor,
Um amigo.

Psicografia 16/6/2016

Não desvencilhe do caminho que lhe foi trilhado. Não se preocupe se achar que é menos que os outros, pois não é. Melhor construir um castelo com pedrinhas pequenas e trabalhadas que grandes pedras, a ponto de poder desmoronar e machucar você e quem está por perto.

Aos poucos se vai longe, a pressa torna o bolo desandado e não bom para comê-lo e nem apreciá-lo.

Cada qual com seu tempo, não olhem dos lados e sim para o seu interior, é ali que se encontra a casa do Pai e não dos lados. Espero ter conscientizado todos vocês.

__________

Neste mar de pessoas querendo o bem, mas esquecem do que foram formadas, no que elas se transformaram porque quiseram. Olhe suas atitudes, são elas que transformam vocês, querem ser escorregadios e não salvos, fácil de sair dos trilhos ou algo forte, feito de pedra com a rosa de Maria envolvendo o peito desta pedra, representando a riqueza de ser forte, firme, sem escorregar e com aroma herdado da Mãe Santíssima, com emanação de amor incrustado em um coração duro por fora e resplandecendo a rosa da ternura por dentro.

Às vezes a dureza nos faz crescer, firmes conseguimos enxergar melhores caminhos, sendo derretidos deixamos às vezes o mau se apoderar não deixando a transformação ocorrer.

(Médium Fernanda)

Psicografia 9/6/2016

Não temereis!

Já falei e falarei de novo sem cessar. Aruanda e os atabaques vão te embalar, nas cores alegres para te fortificar, nas danças de roda ninguém fica parado, nas giras de roda o sorriso faz parte, só entra a pomba branca simbolizando a paz para acalentar.

Nos cantos da roda alegria terá!

A paz de Cristo vem a iluminar.

Nas gira de roda alegria terá, olhando para o alto e reinando ao luar.

Nas giras de roda ele veio a cantar, nas giras de roda eu venho a cantar.

E mau nenhum vai me assombrar

E mau nenhum vai me assombrar.

A Madre Tereza veio alertar
que nós nos protegemos quando olhamos ao luar.

Vamos girar, vamos girar, ergueremos as mãos em alegria a Jeová! Levantamos as mãos em alegria a Alá, levantamos as mãos em alegria a Oxalá…

Na gira! Na gira….
Iremos alegrar.

Oh Oxalá! Oh Iemanjá.
Bem… depois da gira…

Venho dizer que a Terra tem poderes curativos, colocar a mão na terra, firmar os pés nesta terra é o mesmo que descarregar fluidos desnecessários para a vitalidade humana, irá restaurar e reerguer. Vamos louvar, agradecer aos poderes da Terra, da natureza que restaura a matéria orgânica e fortifica o espírito com energias com energias dos espíritos que habitam a mata.

O Criador é sábio, cada planta tem a forma necessária para ajudar seus habitantes, seja orgânicos, gasosos e outros tipos de matérias que não vem o caso dizer, pois isso não influenciaria na evolução de vocês.

Vamos fazer nossa reunião, estão aqui Pretos Velhos, Xangô , Iemanja, Oxumaré e outros…
Os nossos amigos na Terra precisam de ajuda, vai ser um trabalho duro, pesado. Muitos saem de baixo querendo arrancar aqueles que tem missão pra cumprir. Muitos não deveriam sair do lugar, pois zombam dos seres da Terra.

Vamos fortificar os humanos na Terra através dos sonhos, vamos influenciá-los através da boa nova. Difícil sabermos que pode ser, mais no nosso lado vamos guerrear, vamos chamar Ogum (Jorge) para chamar a cavalaria e irmos a Terra e aprisionar estes retrocessados. Cada um com o instrumento espiritual que tem, vai guerrear, más precisamos da ajuda deles, eles precisam acreditar que estamos aqui, o Pai criou vários seres para orientar, para mostrar que tudo tem solução, não desanimar, não temer. Mas vamos na humildade nos fornecida, na simplicidade iremos ajudar . O dragão pode estar solto, mas a espada esta erguida para afugentá-lo.

Fernanda